“Mil Nomes – O guardião do Infinito” by J.R.Pereira

Sorry english spoken friends. This time this text here will only be in Portuguese because it´s a review for a book, that for now it´s only available in Portuguese as it´s a fantasy novel from Brasil. When it´s released in English later on, i´ll add an english version for this review then. For now, this one is just for Portuguese spoken people. 😉

UPDATE OUTUBRO 2016: Infelizmente J.R.Pereira, o autor deste livro faleceu de doença prolongada um par de meses após eu ter escrito esta review. Bem antes do livro ter uma distribuição em larga escala; por isso certamente hoje se encontrarem uma cópia será talvez em alfarrabistas ou lojas de livros usados, feiras, etc.
De qualquer forma decidi manter aqui a minha review pois o livro é realmente muito original e neste momento tornou-se também num objecto de coleção que recomendo vivamente se o conseguirem encontrar. – Luis Peres 2016

REVIEW ORIGINAL

Quando eu pensava que já nada me surpreenderia no que toca a conceitos e histórias de fantasia, eis que me deparo com [“Mil Nomes – O Guardião do Infinito”] do escritor Brasileiro J.R.Pereira e acho que ainda estou a tentar recuperar os pedaços de cérebro da parede. Isto porque ler “Mil Nomes” é uma experiência única. Pelo menos eu nunca tinha lido nada assim.


Nas suas 200 páginas há mais ideias, conceitos, criatividade e imaginação do que em muitos livros de milhares e milhares de páginas.
[“Mil Nomes – O Guardião do Infinito”] é um livro difícil de se ler. Mas não pensem que é por ser chato ou arrastado ou algo assim. Não, “Mil Nomes” é díficil de se ler porque, primeiro apanha o leitor totalmente desprevenido pelo próprio estilo do conceito. Quero dizer, a mim pelo menos nunca me passaria pela cabeça que alguém resolvesse um dia escrever aquilo que é essencialmente um Manga (ao melhor estilo Japonês) mas em prosa !!! What ?!!!
E resulta ?
Se resulta meus amigos !
[“Mil Nomes – O Guardião do Infinito”] é díficil de se ler pela mais positiva das razões e como tal – “díficil” – aqui neste caso é uma mais valia e nunca será uma coisa negativa. E o que eu quero dizer com isto ?
É assim, há tanta imaginação, mas tanta imaginação, tanta coisa a acontecer, tanto conceito criativo e o ritmo narrativo é tão dinâmico que em duas páginas há mais conteúdo para nós absorvermos e pensarmos no que lemos do que em muitos livros ditos “mais sérios” e não estava nada á espera disto num “Mil Nomes” que á partida pode parecer apenas um Manga entre outros. Mas não é.


Se [“Mil Nomes – O Guardião do Infinito”] fosse um Anime televisivo, este teria uma montagem típicamente japonesa com tudo a acontecer ao mesmo tempo e duzentos frames de animação estilizados por segundo !
É isto que transpira através de toda a prosa de J.R.Pereira. Nota-se que há aqui um desejo tão grande de se contar uma grande história que não conseguimos evitar sentir que o autor tentou escrever cinco ou seis volumes de 500 páginas apenas num único de 200.
No entanto, isto que poderia ter destruído por completo o livro enquanto tal, acaba por lhe dar uma dinâmica única e muito viciante.
Digamos que é um Anime em prosa com uma montagem a duzentos á hora que pede uma leitura ao melhor estilo cinema de autor. Com muiiiiiita calma. Muita calma.


Sim, porque não pensem que isto lá porque se parece totalmente com uma espécie de “Dragon Ball” em versão brasileira a um primeiro olhar, queira dizer que assim é.
[“Mil Nomes – O Guardião do Infinito”] é um Anime em prosa que vai para além de tudo o que vocês possam imaginar e pré-conceber e como tal aposto que J.R.Pereira se encontrou no mesmo dilema que eu me encontro com o meu próprio trabalho de BD (quadrinhos) aqui em Portugal e não só. Isto é, como convencer os leitores que apesar do aspecto infantil , estes bonequinhos “para crianças” em estilo fofinho são apenas um meio para passar uma mensagem muito mais adulta ?
Imagino que [“Mil Nomes – O Guardião do Infinito”] terá o mesmo problema em divulgação que eu tenho com o meu próprio trabalho. Muito público -adulto- nem irá sequer dar uma chance ao livro por causa do seu visual “infantil” ou estilo Manga/Anime aparentemente para crianças. E se calhar o público mais jovem poderá ficar algo indiferente a tanta temática filosófica, religiosa, politica e social que percorre todas as aventuras destes personagens fascinantes criados por J.R.Pereira.
A prosa parece escrita para crianças, mas depois o conteúdo e a mensagem vai muito para além daquilo que aparenta, como tal este é um equílibrio sempre muito complicado de se manter. Não pela qualidade da escrita mas por ser uma forma arriscada de cativar eventuais leitores.


No entanto [“Mil Nomes – O Guardião do Infinito”], (quando paramos para respirar durante a sua leitura, e damos um tempo para pensar no que estamos a ler), é um livro que irá agradar certamente a um vasto público que se propor a entrar por este livro a dentro sem preconceitos.
Não adianta tentarem ler este livro como todos os livros que já leram na vida. Nunca leram nada assim, garanto-vos. Agora se lhe derem uma chance tenho a certeza que se irão divertir bastante, pois há nele elementos suficientes para agradar tanto a crianças que o vão curtir pelo aspecto Anime da coisa e pelas épicas sequências de acção narradas em prosa (com alguma banda desenhada pelo meio também), como a adultos que procuram uma proposta de fantasia única.
Se pensam que já tinham visto todos os tipos de universos que havia para imaginar, meus amigos…think again !


O público jovem que goste de ler, vai curtir o ritmo narrativo alucinante deste livro, pois emula bastante bem a estrutura de um Anime televisivo ou de um Manga mas em prosa, por isso isto não é de todo uma daquelas obras que afastaria o público mais teen por poder ser considerado um livro chato.
No entanto, estranhamente para mim a grande força de [“Mil Nomes – O Guardião do Infinito”] está no facto de ser uma história que irá agradar principalmente ao público mais adulto, pois muitas das suas temáticas serão bem melhor absorvidas por quem se interessar á partida por filosofia, religião (não no sentido religioso); e até por temas mais paranormais e científicos, isto porque este livro abrange tudo desde a temática da vida depois da morte até aos melhores e mais contemporâneos conceitos de física quântica e String Theory.
É pena este livro ainda só estar disponível em Português do Brasil, pois se existisse em inglés estou a ver o físico Michio Kaku a curtir esta leitura de uma ponta á outra, pois todo o seu conceito engloba muito daquilo que ele próprio costuma discutir nas suas apresentações e documentários científicos.

Resumindo, penso que J.R.Pereira tem aqui material para muitos e bons livros. Agora nem sei como ele irá fazer para as sequelas depois deste primeiro volume conter tanta imaginação ! Depois disto, o que mais há ainda para inventar que possa enriquecer ainda mais este universo tão fascinante e viciante ?
Pessoalmente eu adoraria, ler uma nova edição deste primeiro volume, mas com mais uns 200 páginas extra. Assim uma espécie de “directors cut” mas com muitas cenas adicionais. Penso que apesar de [“Mil Nomes – O Guardião do Infinito”] já ser suficientemente viciante e cativante como está, teria tudo a ganhar numa revisão mais pausada onde houvesse mais espaço na narrativa para intercalar melhor as cenas de acção épicas ou sequências mais imaginativas, quando mais não seja para que o leitor não fique com o cérebro frito a uma primeira leitura deste inesperado e fascinante universo Manga em prosa.


Totalmente recomendado a quem procura uma proposta inesperada dentro do estilo de fantasia e algo que vai muito para além do aspecto simples e infantil que o livro tem a um primeiro olhar.
Eu por mim estou curioso com o que acontecerá numa sequela que espero não demore muito a acontecer, pois a haver algo de menos positivo nisto tudo é apenas aquele gostinho a pouco que fica no fim da leitura pois mesmo apesar dos milhares de detalhes e pormenores imaginativos, esta primeira aventura deixa-nos com aquele sabor a uma introdução de personagens e ficamos com vontade de acompanhar uma historia em que já não haja necessidade de tão minuciosamente explicar quem é quem.

Não posso deixar de terminar esta review, sem referir que provavelmente só mesmo em “brasileiro” é que se conseguiria escrever um Manga/Anime em prosa mantendo uma atmosfera totalmente fiel ás suas influências nipónicas. Isto porque nem em Português de Portugal eu acho que alguém conseguiria produzir um livro assim, principalmente porque o “colorido” da própria lingua “brasileira” é simplesmente perfeito perfeito para criar aquela atmosfera “cute” e fofinha totalmente Manga e como tal esta é uma das razões que tudo resulta num óptimo conjunto.
E por falar em Manga, o livro é em prosa, mas as últimas páginas são em banda-desenhada (quadrinhos para vocês no Brasil) desenhadas exactamente no estilo Manga , o que complementa de uma forma bastante original todo o trabalho e harmoniza ainda mais todas as ilustrações que estão espalhadas pelo livro com uma identidade visual excelente e cheia de personalidade.
Só é pena o livro não ter mais desenhos ainda.


Mas afinal [“Mil Nomes – O Guardião do Infinito”] é sobre o quê ?
Quem gosta de temas filosóficos, com base em inúmeras correntes de pensamento, esoterismo quanto baste e uma pitada de fisica quântica vai gostar de espreitar isto. Além disso mesmo com todas as suas influências exteriores nunca perde uma identidade Brasileira o que só lhe fica bem.
Mesmo que eu quisesse eu não lhes conseguiria resumir uma parcela de toda a imaginação que existe apenas logo nos primeiros capítulos, quanto mais no resto do livro.
O primeiro capítulo é demais ! E o segundo também… e o terceiro…

Uma história cinco estrelas para quem pensa que já viu tudo no que toca a universos originais que vale a pena descobrir e cheira-me que isto ainda tem muito para dar.
É um livro num formato pequeno mas com muito conteudo e um grafismo muito agradável e cativante a todos os níveis também e que dá para levar para todo o lado, sendo uma espécie de literatura light em aspecto mas com muito muito conteúdo que ainda poderá provocar uma discussão filosófica ou duas entre leitores. 😉


 

 

 

Advertisements

My first imaginary landscapes – As minhas primeira paisagens imaginarias.

This is one of my very old sketches created more than 20 years ago when i was learning to draw and create my own fantasy landscapes.
As i always thought a good way to learn how to do this type of stuff was to copy from the best, one day i started to copy by hand some illustrations of my favorite illustrators at the time. When i found this Tim White original illustration i thought it would be a good challenge to try to replicate it in pencil and so i went for it.
I learned a lot from creating this drawing. While copying the original it tought me how to use perspective and texture to create depth, how to add details to create the ilusion of perspective, how to place a character to add dimension to a scenery and lots of other things.
From this pic on, i started to apply what i had learn creating it, in my very own fantasy landscapes and so this pic i guess you can say was my school of art in creating imaginary worlds.

The first landscape drawing i created - A primeira paisagem imaginária
The first imaginary landscape i did - A primeira paisagem imaginária que criei.

Este foi um dos meus primeiros desenhos feitos mais a sério. Foi ao criar esta imagem que eu aprendi bastante não só sobre perspectiva mas também como usar vários elementos e detalhes para equilibrar uma paisagem imaginária.
Sempre achei que uma boa maneira de aprendermos a desenhar seria copiar dos melhores e portanto um dia, mais de 20 anos atrás, decidi que iria aprender tudo sobre paisagem e ao encontrar uma ilustração originalmente de Tim White, decidi tentar copiá-la a olho, lado a lado usando apenas o lápis e o resultado foi esta imagem que entretanto me ensinou muito mais do que muitos livros sobre todo o processo de criação de uma paisagem imaginária.
Depois de criar este desenho comecei então a tentar aplicar sózinho o que tinha aprendido e o resultado desenvolveu-se até hoje. Se notarem muitas das minhas paisagens contêm elementos ainda originais saidos deste primeiro desenho.

–//–

After that initial atempt, i had learned a lot more than i was expecting to when copying that original Tim White pic and so i got confident to try and make my first fantasy landscape totaly imagined by myself.
So trying to apply all that i had learned i sketched this image below one day at the beach.
Initialy it was also only the lineart because i didn´t knew how to use colors yet, but about ten years later i painted it to look like what you can see below.
It´s still one of my favorite imaginary landscapes of mine and of most people who like my work. I have a huge poster of this image on my wall and despite some flaws i still really like this imaginary world.
This image even later on became the basis for my Thorondor world present at my 200 page graphic novel – The Adventures of Prince Ziph.

My first fantasy landscape created on my own. A primeira paisagem de fantasia que criei por mim proprio.
My first fantasy landscape created on my own. A primeira paisagem de fantasia que criei por mim proprio.

Depois de ter criado esse primeiro esboço a partir da ilustração de Tim White senti-me confiante para tentar criar a minha primeira paisagem de fantasia totalmente imaginada por mim com base no que tinha aprendido ao construir a outra imagem.
O resultado foi esta imagem , que inicialmente era apenas a preto e branco pois ainda nao sabia usar a cor na altura, mas que mais tarde uns dez anos depois foi colorida da forma que agora vêem.
Esta imagem foi tambem a base para a criação do  mundo de fantasia presente na minha banda desenhada – As Aventuras do Principe Ziph.